New to site?


Login

Lost password? (X)

Already have an account?


Signup

(X)

Prozyn – líder na aplicação de enzimas e biossoluções para processos mais eficientes e sustentáveis

Prozyn – líder na aplicação de enzimas e biossoluções para processos mais eficientes e sustentáveis

Prozyn - Líder em enzimas para processos mais eficientes e sustentáveis
25
set 2017

Comprometida com o sucesso de seus clientes, a Prozyn atua de forma flexível e customizada. Possui um banco de dados com mais de 300 enzimas que são selecionadas após uma profunda análise do processo e necessidades de cada cliente. Com amplo portfólio de enzimas e outros bioingredientes, nosso time de especialistas desenvolve soluções sob a ótica do custo de formulação, eficiência de processo, aumento de rendimento, qualidade e inovação.

Segue também o caminho da diversificação e ampliação de seu portfólio com outros ingredientes especiais, que em sinergia com as enzimas, agregam valor ao setor sucroenergético.

Em constante crescimento, expandiu seu complexo industrial para maior capacidade de produção, seguindo o mais alto padrão internacional de qualidade e segurança. Certificada com selo FSSC 22.000, consolida o compromisso com a melhoria contínua e passa a fazer parte de um seleto grupo de empresas de classe mundial.

Para manter os mais altos níveis de qualidade e constante inovação, a Prozyn também investe continuamente em seu Centro de Inovações Tecnológicas com ampliações e novos equipamentos de alta tecnologia, além da capacitação de seus profissionais através de parcerias com universidades, empresas e centros de pesquisa ao redor do mundo.

 

UTILIZAÇÃO DE ENZIMAS NA INDÚSTRIA SUCROALCOOLEIRA

UTILIZAÇÃO DE ENZIMAS NA INDÚSTRIA SUCROALCOOLEIRA

As enzimas são catalisadores biológicos naturais importantes por contribuírem para uma produção industrial mais eficiente e sustentável. Substituem produtos químicos, reduzem o consumo de água e energia e minimizam a emissão de poluentes, além de possibilitar a criação de produtos inovadores.

 

ALFA-AMILASES

O amido encontrado em cana-de-açúcar é um polissacarídeo de reserva. Sua quantidade e composição mudam de acordo com a variedade, estágio de desenvolvimento e condições de crescimento da planta. Altas concentrações de amido no caldo de cana podem resultar na produção de açúcar bruto com muito amido, o que ocasiona problemas de cor e filtração devido ao aumento da viscosidade. A cor é uma característica fundamental para a classificação do açúcar. De maneira geral, pode-se dizer que uma menor cor (em UI – Metodologia Oficial ICUMSA) resulta em uma melhor qualidade do açúcar, tendo interferência direta também na coloração e qualidade do produto final onde é aplicado, como bebidas claras, c doces, etc. A alfa-amilase bacteriana termoestável, quando utilizada corretamente, hidrolisa o amido, minimizando a viscosidade das massas, evitando problemas de cor e filtração para a indústria de açúcar.

A aplicação de amilases em usinas começou no refino do açúcar com amilases de média termorresistência. Porém, essa aplicação não sanava os problemas do processo de fabricação, mas melhorava a etapa de refino do açúcar.

O amido continuou sendo alvo de pesquisas, e então uma amilase termorresistente foi utilizada no último estágio do evaporador. Esse processo permitiu a fabricação de açúcar VVHP com melhor controle do amido, que é um parâmetro crítico de qualidade.

Após estudos, a Prozyn desenvolveu uma nova geração de amilases termorresistentes para aplicação na decantação. Como nesta etapa a temperatura é mais elevada, esse novo ponto de dosagem permitiu uma redução significativa na dose da enzima e uma melhor eficiência. Porém, as amilases desenvolvidas até essa geração não são totalmente inativadas durante o processo. Desta forma, quando este açúcar é aplicado em produtos alimentícios que utilizam amido como estabilizantes, esses produtos se desestabilizam e perdem sua qualidade.

A Prozyn, com seu DNA inovador, mais uma vez desenvolveu uma sinergia de enzimas para esse desafio da indústria: StarMax Zero, um produto que possui uma termoestabilidade ajustada, dosado antes do aquecedor, que quebra o amido sem deixar residual de amilase no produto final.

 

DEXTRANASES

A aplicação de dextranases no processo de produção de açúcar é considerada uma das mais recentes do setor.

A primeira geração de dextranases não era termorresistente e não suportava as condições do decantador e do evaporador. Por isso, eram dosadas na moenda, em condições de temperatura adequada, mas não com tempo suficiente para ação, sendo necessária uma dosagem elevada de enzima, o que inviabilizava o seu uso.

Atenta a essa necessidade, a Prozyn desenvolveu uma linha de dextranases de média termorresistência que podem ser dosadas no último estágio do evaporador, onde possuem o tempo e a temperatura adequados para a sua atuação. O uso de dextranase foi viabilizado, pois as doses diminuíram e a eficiência no processo aumentou.

 

CONTROLE DE ESPUMA

Um dos principais problemas que as usinas enfrentam, responsável por diminuir a capacidade útil das dornas devido ao seu grande volume e originar altos gastos com insumos químicos, é a espuma gerada durante a fermentação. A espuma é composta por bolhas de gás carbônico, liberadas pela conversão do substrato em produto, aprisionadas por uma película líquida viscosa que pode conter também a própria levedura. Sua formação e consistência são influenciadas principalmente pelo teor de amido, dextrana e outros polissacarídeos do caldo, além das proteínas presentes na superfície das próprias leveduras. Atualmente, as usinas gastam grandes volumes de insumos químicos como dispersantes e antiespumantes para controlar a formação dessa espuma, a fim de evitar perdas e aumentar a eficiência de processo.

Foi pensando nisso que a Prozyn desenvolveu uma biosolução sustentável para controlar a formação de espuma, aumentando o aproveitamento das dornas e reduzindo os gastos com dispersantes e antiespumantes. Trata-se de uma sinergia de proteases que age diretamente nos compostos orgânicos que propicia a formação da espuma, deixando-a mais frágil através da diminuição da viscosidade do meio, reduzindo significativamente o volume de bolhas, que passam a ser mais frágeis e suscetíveis ao efeito dos antiespumantes, potencializando seu impacto na quebra e tempo de retenção da espuma.

Com isso, a aplicação de antiespumante e dispersante no controle da espuma cai drasticamente, além de contribuir no tratamento e desfloculação do fermento. Esta solução enzimática atua em pH ácido a neutro e pode ser dosada diretamente no levedo durante o tratamento ácido ou na linha de mosto.

 

RECUPERAÇÃO DE AÇÚCAR

Com a mudança da colheita manual para mecanizada, mais folhas e pontas entraram no processo. Desta forma, houve um aumento na quantidade de polissacarídeos no caldo, interferindo no processo e na qualidade do açúcar. O amido, dextrana, arabinogalactanos, levana e outros polissacarídeos aumentam a viscosidade do xarope e causam problemas de cristalização, elevando o tempo de lavagem na centrífuga e provocando consequente perda de açúcar no processo.

Diante desta nova realidade, a Prozyn desenvolveu o RendiMax Sugar, uma sinergia entre várias enzimas que quebram os polissacarídeos, reduzindo a viscosidade do xarope. Desta forma, possibilita redução no tempo de lavagem com consequente diminuição das perdas.

 

RENDIMENTO ALCOÓLICO

O subproduto da fabricação do açúcar é o melaço, que pode ser diluído na água ou caldo para compor o mosto para fermentação alcoólica. Esse melaço possui em sua composição alguns açúcares fermentescíveis como a sacarose, glicose e frutose, além de polissacarídeos que não são fermentescíveis pela levedura. As enzimas que hidrolisam esses polissacarídeos em açúcares fermentescíveis geram mais substratos para a levedura, possibilitando um maior rendimento alcoólico.

 

USO DE ANTIMICROBIANOS NATURAIS

Na fermentação alcoólica a contaminação microbiana está muito presente. As bactérias e as leveduras competem pela sacarose que seria transformada em etanol. Por isso, é necessário um bom controle microbiológico da fermentação. Esse controle é realizado com antibióticos como a monensina, penicilina, virginamicina, dentre outros. Esses antibióticos são eficazes, porém geram resistência na bactéria e contaminam a levedura que serão posteriormente tratadas para comercialização e utilização em nutrição animal.  Por esse motivo, os antimicrobianos naturais vêm sendo desenvolvidos e estão se tornando realidade nas usinas brasileiras.

 

APLICAÇÃO DE ENZIMAS EM LEVEDURAS

Durante a fermentação alcoólica ocorre a produção de um excedente de levedura que pode ser tratada enzimaticamente, gerando produtos de maior valor agregado como a levedura seca, extrato de levedura e parede celular. Esses produtos possuem diversas aplicações como fonte de nutrientes para alimentação animal e substituto de antibiótico para rações.

Por tudo isso, pode-se dizer que a Prozyn tem conseguido agregar mais valor ao setor sucroenergético, beneficiado por produtos de maior qualidade e um processo mais eficiente.


SOBRE A PROZYN

Prozyn trabalha constantemente para aprimorar suas tecnologias e processos, com o objetivo de desenvolver soluções inovadoras que atendam às novas demandas e necessidades de mercado. Através da aplicação de bioingredientes, suas soluções buscam otimizar processos, diminuir custos, além da constante melhoria na qualidade do produto final, agregando valor à cadeia produtiva.

Escrito por:

Eloisa Carmignola – Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Jadyr Oliveira – Diretor Executivo

Posts relacionados
2018 Prozyn. Todos os direitos reservados